Estado de São Paulo inteiro em alerta para a febre amarela

 

 

Organização Mundial da Saúde (OMS) passou, nesta terça-feira (16), a considerar todo o estado de São Paulo como área de risco de febre amarela.

Segundo o secretariado da entidade, a decisão foi tomada devido ao aumento da atividade do vírus observada na região. Antes, a OMS recomendava que apenas as pessoas que viajassem para áreas de risco do estado – o que não incluía a capital e boa parte do interior.

A vacinação fracionada contra febre amarela em 54 municípios de São Paulo começará no dia 29 de janeiro. A meta é imunizar 6,5 milhões de pessoas - 2,5 milhões só na capital paulista. A dose fracionada tem 0,1 ml, enquanto que uma dose convencional tem 0,5 ml. A vacina permite a imunização por oito anos. A vacinação irá começar nos lugares onde o vírus está circulando, mas o objetivo é que, em um ano, atinja todo o estado.

A entidade aconselha também quem vai viajar para o estado a adotar medidas para evitar picadas de mosquitos, fique atento para os sintomas da doença e procure atendimento durante ou após a visita, em caso de suspeita da doença.

A recomendação para quem vive nas áreas de risco – regiões perto de matas em que foram encontrados macacos mortos com o vírus da doença – é a de que tomem a vacinação convencional. Os demais (que vivem fora da área de risco) deverão ser vacinados com a dose fracionada.

A dose fracionada foi pensada para ampliar a imunização e deixar a dose concentrada para as áreas de risco, os bairros próximos aos parques onde foram localizados macacos mortos com o vírus da febre amarela.

A Secretaria Estadual da Saúde confirma 21 mortes por febre amarela silvestre no estado desde janeiro de 2017, segundo dados divulgados no último dia 12.

Também foram confirmados 40 casos autóctones (quando a doença é contraída na própria cidade e não vem de pessoas que viajaram para regiões afetadas) de febre amarela silvestre no estado desde janeiro de 2017.

De acordo com o governo estadual, os locais de infecção que resultaram em morte ocorreram nos municípios de Américo Brasiliense, Amparo, Atibaia, Batatais, Itatiba, Jarinu, Mairiporã, Monte Alegre do Sul, Nazaré Paulista, Santa Lucia e São João da Boa Vista.

As pessoas ainda não imunizadas que forem viajar para áreas de risco ou para países que exigem vacinação contra a febre amarela devem tomar uma dose dez dias antes do deslocamento. Quem for viajar para áreas que exigem o Certificado Internacional de Vacinação ou Profilaxia, o CIVP, deve tomar a dose inteira da vacina da febre amarela (0,5 ml). O certificado de vacinas é emitido pela Anvisa e comprova a vacinação contra doenças.

Sintomas

A doença começa a apresentar sintomas de 3 a 6 dias após a infecção. Os sintomas iniciais são dores de cabeça, febre, perda de apetite, náuseas e vômitos, além de dores musculares, especialmente nas costas.

Se a doença se agravar, podem aparecer: febre alta, olhos e pele amarelos, sangramento da boca, do nariz, olhos e estômago. Órgãos como fígado e rins são afetados. A pessoa também pode ter dores abdominais e escurecimento da urina. Cerca de 20 a 40% das pessoas que chegam a essa situação podem morrer.

Quem pode tomar a vacina:

  • Crianças a partir dos nove meses até idosos com 60 anos.

Não podem tomar a vacina: 

  • Grávidas e mulheres que estão amamentando crianças menores de seis meses.
  • Doentes com câncer que fazem quimioterapia ou radioterapia.
  • Pessoas com alergia a ovos ou derivados.
  • Portadores de HIV ou qualquer doença que atinja o sistema imunológico.
  • Transplantados.
  • No caso dos idosos com mais de 60 anos, é preciso avaliação médica. Quem já tomou a dose da vacina contra a febre amarela tem imunidade para vida toda.